As cartas de Jane Austen traduzidas – I

O principal meio de comunicação na época de Jane Austen era a carta, de forma que Jane, enquanto viva, escreveu muitas e muitas e muitas cartas para toda a sua roda de conhecidos. Infelizmente, a maioria dessas cartas foi destruída por sua irmã, Cassandra, e outros familiares – e, segundo uma das sobrinhas de Jane Austen, muitas das cartas que restaram tinham pedaços cortados.

Mesmo assim, as cartas sobreviventes (ou os pedaços que Cassandra Austen permitiu que sobrevivessem rs) dizem muito sobre quem Jane Austen era: uma mulher muito inteligente, com um senso de humor único. Verdade, de vez em quando a gente lê um comentário ou outro e pensa que seria muito legal ser amiga dela. Daquela cabeça não saíam só grandes romances rs!!

Semana passada, eu traduzi uma carta de Cassandra Austen para Fanny Knight, contando sobre os últimos momentos de vida de Jane Austen. E não é que as pessoas gostaram? Então resolvi que, vez ou outra, vou postar traduções das cartas de Jane Austen por aqui. Os assuntos tratados nas cartas, de vez em quando, ficam meio “sem sentido”, mas a leitura dessas cartas é um deleite para todo e qualquer fã da escritora. Eu espero que vocês gostem (e, se gostarem, ajudem a divulgar :D)!

Fragmento de uma carta de Jane Austen para sua sobrinha Anna Lefroy. Crédito: Sotheby’s.

“Steventon, quinta-feira, 16 de janeiro de 1796.

Acabei de receber sua carta e a de Mary, e eu agradeço as duas, embora o conteúdo das cartas pudesse ser mais agradável. Eu não espero, de forma alguma, te encontrar na terça-feira, uma vez que as coisas tomaram um rumo tão desagradável; e se não for possível que você retorne até depois desse dia, será muito difícil que possamos te buscar antes de sábado, embora, de minha parte, eu me importe tão pouco com o baile que não seria nenhum sacrifício desistir de comparecer para vê-la dois dias antes. Nós todos sentimos muito pela doença da pobre Eliza. Eu espero, contudo, que ela tenha continuado a se recuperar desde que você me escreveu, e que nenhum de vocês fique mal por cuidar dela. Que companheiro inútil se mostrou o Charles, sugerindo as meias! Eu espero que ele fique com muito calor até o fim da sua vida por causa disso!

Eu enviei uma carta para você, endereçada à Ibthorp, e eu presumo que você não a receberá em Kintbury. Não era muito longa ou muito espirituosa, e, portanto, caso você nunca a receba, isso não terá muita significância. Eu escrevi, principalmente, para contar que os Coopers chegaram e que estão bem de saúde. O menininho é muito parecido com o Dr. Cooper, e dizem que a menininha parece com a Jane.

Nosso grupo em Ashe amanhã a noite consistirá em Edward Cooper, James (por que um baile não é nada sem ele), Buller, que está hospedado conosco, e eu. Eu estou esperando com muita impaciência pelo evento, já que espero receber uma proposta de meu amigo durante a noite. Eu irei recusar, contudo, a não ser que ele prometa jogar fora seu casaco branco.

Eu estou muito lisonjeada pelos seus elogios à minha última carta, já que eu escrevo apenas pela fama, e sem nenhuma perspectiva de ganho pecuniário.

Edward saiu para passar o dia com seu amigo, John Lyford, e não irá retornar até amanhã. Anna está aqui agora; ela chegou em sua chaise para passar o dia com suas primas mais novas, mas ela não faz muita coisa com elas ou para elas, com exceção da roca de Caroline. Eu fiquei muito feliz em descobrir, através de Mary, que o Sr. e a Sra. Fowle estão felizes com você. Eu espero que você continue a lhes proporcionar satisfação.

Que impertinente você foi em escrever para mim sobre Tom, como se eu não tivesse oportunidades de ouvir dele por conta própria! A última carta que recebi dele data de sexta-feira, dia 8, e ele me disse que se o vento estivesse favorável no domingo, o que de fato aconteceu, eles iriam zarpar de Falmouth naquele dia. A esta hora, portanto, eles estão em Barbados, eu presumo. Os Rivers continuam em Manydown, mas devem estar em Ashe amanhã. Eu pretendia visitar a Srta. Biggs ontem, se o tempo estivesse tolerável. Caroline, Anna e eu devoramos um escabeche gelado e seria difícil dizer qual de nós gostou mais.

Diga a Mary que eu deixo o Sr. Heartley e todas as suas propriedades para ela, para que faça uso exclusivo, e não apenas ele, mas todos os meus admiradores que ela puder encontrar, até mesmo o beijo que C. Powlett queria me dar, uma vez que eu pretendo, no futuro, confinar minha pessoa ao Sr. Tom Lefroy, alguém por quem eu não me importo. Assegure a ela, também, como a última e incontestável prova da indiferença de Warren por mim, que ele realmente desenhou a gravura daquele cavalheiro para mim, e me entregou sem pensar duas vezes.

Sexta-feira: Chegou o dia de meu último flerte com Tom Lefroy, e quando você receber esta carta ele terá terminado. Minhas lágrimas caem enquanto eu escrevo com essa ideia melancólica em mente. William Chute nos visitou ontem. Eu fico me perguntando o motivo de ele estar sendo tão educado. Há um rumor de que Tom irá se casar com uma das moças Lichfield. John Lyford e sua irmã irão trazer Edward embora hoje, irão jantar conosco, e depois todos iremos juntos para Ashe. Eu ficarei extremamente impaciente para ter notícias suas novamente, quando eu poderei saber como está Eliza e quando você volta.

Com muito amor, etc., eu sou carinhosamente sua, J. Austen.”

Até a próxima!

Com muito amor e profundo respeito,

Roberta.

A imagem em destaque foi retirada daqui.
Postado por: Roberta Ouriques

Comentários

Posts relacionados

Minha viagem para Londres: primeiras considerações

Quem me segue no Instagram viu que estive em Londres esse mês – e também em Bath, em Chawton, em