As cartas de Jane Austen traduzidas – VIII

“Steventon, noite de segunda-feira, 24 de dezembro

Minha querida Cassandra, eu tenho algumas notícias agradáveis que estou ansiosa para te contar, e, desta forma, começar a escrever a carta mais cedo, embora eu não deva enviar isso antes do usual.

O Almirante Gambier, em resposta ao pedido de meu pai, escreveu o seguinte: ‘Como é costume manter os oficiais mais jovens em pequenos navios, já que é mais apropriado em razão de suas inexperiências, e também porque eles ficam em uma situação em que têm mais chances de aprender sobre seus deveres, seu filho irá continuar no Scorpion; mas eu mencionei ao Conselho do Almirantado que ele gostaria de servir em uma fragata, e quando uma oportunidade adequada surgir e quando julgarem que ele já aprendeu o que devia em uma embarcação menor, eu espero que ele seja realocado. Sobre seu filho que está servindo no London, eu fico feliz em poder lhe assegurar que a promoção dele deve ocorrer em breve, já que lorde Spencer foi gentil em dizer que iria inclui-lo em um arranjo que ele pretende fazer sobre algumas promoções’.

Aí está! Agora posso terminar minha carta e me enforcar, pois eu tenho certeza de que não posso escrever ou fazer nada que não irá parecer insípido para você depois disso. Agora, eu realmente acho que ele será promovido logo, e apenas queria que fosse possível informá-lo do nosso conhecimento prévio do evento. Meu pai escreveu para Daysh pedindo que ele nos informe, se puder, quando a comissão for enviada. Seu desejo agora está pronto para ser realizado; e se lorde Spencer pudesse dar alguma alegria a Martha ao mesmo tempo, que alegria ele daria ao coração dela!

Eu te enviei o texto exato das adulações de Gambier para Charles, que, coitado, embora não seja mais do que um humilde atendente do herói da paz, irá, eu espero, se contentar com o prospecto que tem frente. Pelo que o almirante disse, parece que ele foi intencionalmente mantido no Scorpion. Mas eu não irei me atormentar com conjecturas e suposições; os fatos irão me satisfazer.

Frank não teve notícias de nós por dez semanas, ele disse quando me escreveu no dia 12 de novembro quando lorde St. Vincent foi realocado em Gibraltar. Quando a comissão dele for enviada, contudo, não irá demorar tanto para ser entregue quanto nossas cartas, porque os despachos do governo são enviados de Lisboa para Sua Senhoria com regularidade.

Eu voltei de Manydown hoje de manhã, e certamente não encontrei minha mãe pior do que a deixei. Ela não gosta do frio, mas isso não podemos mudar. Eu passei um tempo relaxante e agradável com Catherine. A Srta. Blackford é agradável o suficiente. Eu não quero que as pessoas sejam muito agradáveis, pois isso me poupa do problema de gostar muito delas. Eu encontrei apenas ela e Catherine quando cheguei em Manydown na quinta-feira. Nós jantamos juntas, e fomos juntas para Worting, buscando a proteção da Sra. Clarke, que estava na companhia de lady Mildmay, o filho mais velho dela, e do Sr. e da Sra. Hoare.

Nosso baile foi muito pequeno, mas de forma alguma desagradável. Havia trinta e uma pessoas, e apenas onze mulheres nesse número, das quais apenas cinco eram solteiras. Dos cavalheiros presentes você pode ter uma ideia da minha lista de parceiros — Sr. Wood, G. Lefroy, Rice, um Sr. Butcher, o Sr. Temple, Sr. Orde, Sr. John Harwood e o Sr. Calland, que apareceu, como sempre, com seu chapéu nas mãos, e vira e mexe ficou atrás de mim e de Catherine para conversar e reclamar de não estar dançando. Nós provocamos ele, contudo, sobre isso. Eu fiquei feliz em vê-lo depois de tanto tempo, e ele foi o gênio e o colírio da noite. Ele perguntou de você.

Tivemos vinte danças, e eu dancei todas elas, e sem nenhuma fatiga. Eu fiquei feliz em ser capaz de dançar tanto, e com tanta satisfação como fiz; desde meu divertimento nos bailes de Ashford, eu não achava que conseguia, mas no frio e com poucos casais eu acho que posso dançar tanto por uma semana quanto por meia hora. Meu chapéu preto foi abertamente admirado pela Sra. Lefroy, e eu secretamente imagino que por todo mundo no salão…

Os lordes do Almirantado irão se cansar de nossos pedidos, pois eu ouvi de Charles que ele também escreveu para lorde Spencer pedindo para ser realocado. Eu tenho medo que Sua Alteza Serena esteja estressada, e ordene que algumas de nossas cabeças sejam cortadas…

Você merece uma carta mais longa do que essa; mas é meu infeliz destino quase nunca tratar as pessoas como elas merecem ser tratadas… Deus te abençoe! Sua, muito afetuosamente, Jane Austen.

Quarta-feira – A neve foi muito pouca ontem, então eu fui para Deane, e voltei para casa às nove da noite, na carruagem pequena, e sem sentir muito frio”.

Vocês repararam que Jane escreveu para Cassandra na véspera de natal e não falou nada sobre a data? Eu fico um pouco triste, pois queria que ela escrevesse mais sobre as festividades (ela raramente menciona o feriado em suas cartas). Mas essa também tem uma das minhas frases preferidas da Jane Austen: “Eu não quero que as pessoas sejam muito agradáveis, pois isso me poupa do problema de gostar muito delas”. Hahaha, ela era demais!

Espero que tenham gostado!

Com carinho, Roberta.

A imagem em destaque foi retirada daqui.
Postado por: Roberta Ouriques

Comentários

Posts relacionados

Curiosidades sobre o natal no tempo de Jane Austen

Natal passado eu escrevi três posts sobre o natal como Jane Austen conhecia (aqui, aqui e aqui), mas sempre tem