Contos das revistas da regência – Parte 2

A primeira parte você pode encontrar aqui, mas vamos para mais algumas histórias nada convencionais? 😉

UMA FILHA DEVOTADA – O Parthenis, comandado pelo capitão Hume de South Shields, do condado de Durham, foi recentemente conduzido para a costa perto daquela mesma localidade. Todas as pessoas a bordo, com exceção do capitão (que não iria abandonar o navio), conseguiram deixar a embarcação de forma segura com a ajuda de alguns barqueiros que ficam ali justamente com o propósito de ajudar navios em perigo. Entre os muitos espectadores que se reuniram para assistir a cena estava a filha do capitão, uma jovem e bela mulher que, ficando sabendo da determinação de seu pai de não abandonar o navio, resolveu, sem se preocupar com sua própria vida, subir a bordo. Ela, convencendo um dos barqueiros a acompanha-la, conseguiu alcançar o navio, com as ondas atacando furiosamente o barco. Chegando no navio, essa heroína agarrou-se em seu pai e, entre lágrimas, conseguiu convencê-lo a ir com ela até a costa, onde os dois chegaram em segurança, entre aplausos da multidão. O navio suportou a tempestade e mais tarde partiu, embora estivesse consideravelmente estragado.

Publicado na revista Lady’s Monthly Museum. Julho de 1799.

ENTRE AMIGOS – Na terça-feira, dia 26 de fevereiro, um duelo foi travado entre lorde Falkland e o Sr. Powell, no qual o segundo foi atingido por uma bala no lado direito da barriga. Em razão do ferimento, o Sr. Powell faleceu na manhã de quinta-feira. Lorde Falkland jantou na casa do Sr. Powell no sábado anterior ao duelo. A festa acabou cedo e lorde Falkland e o Sr. Powell seguiram juntos para a ópera no hotel Stephenson’s e se despediram da mesma forma como foram: sendo amigos íntimos. No domingo à noite, lorde Falkland retornou ao hotel e, encontrando o Sr. Powell, disse a ele: “O que, bêbado novamente esta noite, Poggy?”. É certo de que nenhum deles estava completamente sóbrio, contudo. O Sr. Powell não gostou do modo como foi tratado e, depois de uma represália, lorde Falkland pegou a arma da mão de um cavalheiro presente e atirou no amigo. Na manhã seguinte, lorde Falkland foi até a casa do Sr. Powell para se desculpar, atribuindo sua conduta à embriaguez. O Sr. Powell não aceitou as desculpas de vossa Senhoria.

Publicado na revista The Lady’s Magazine. Março de 1809.

COLISÃO FATAL – Sábado, dia 25 de maio, enquanto cavalgavam pela Rotten-Row, um cavalheiro e um lacaio, ambos em plena velocidade e em direções opostas, colidiram um no outro e foram, também os dois, jogados de seus cavalos. O lacaio foi retirado do local sem vida.

Publicado na revista The Sporting Magazine. Junho de 1800.

VENDA DE ESPOSA – Poucos dias atrás, a seguinte situação ocorreu em White Hart, Sittingbourne: uma mulher chamada Sra. Coveney, sendo puxada através de uma corda, foi levada até uma sala e vendida para a maior aposta, juntamente com seus cinco filhos, um cavalo, um gato e todos os seus móveis. Um homem de Newington a comprou por 10 libras.

Publicado na revista La Belle Assemblée. Junho de 1811.

NÚPCIAS NOBRES – No dia 17 de maio, através de uma licença especial, o honorável Sr. Lambe, filho do visconde Melbourne, casou com a Srta. Le Jeune, pupila do duque de Devonshire. As preparações para o evento seguiram todos os códigos de elegância. O reverendo Predy, chapelão da condessa-viúva Spencer, realizou a cerimônia. Sua Graça, o duque de Devonshire, levou a noiva até o altar e o visconde Melbourne acompanhou o filho na ocasião. As duas senhoritas Howards foram damas de honra. Um elegante e seleto grupo de convidados se reuniram a noite, incluindo Sua Alteza Real, o príncipe de Gales, o conde e a condessa Cowper, visconde e viscondessa Morpeth, lorde e lady G. Cavendish, lady E. Foster e muitas outras pessoas igualmente distintas. Os recém-casados irão para Brocket Hall para desfrutar da lua de mel.

Publicado na revista The Lady’s Magazine. Maio de 1809.

FUGA DA HERDEIRA – 31 de janeiro: a filha de um rico cavalheiro, da vizinhança de St. James’s Street, sumiu da casa de seu pai na manhã de terça-feira e supõe-se que tenha fugido com um oficial pertencente a um regimento da cavalaria. A mulher, que tem vinte e três anos, não parece ter feito nenhum preparativo para a fuga. Ela saiu de casa normalmente, antes do café da manhã, mas sem uma criada para acompanha-la. Ela não retornou, é claro, na hora costumeira e sua ausência foi sentida com grande preocupação. Descobriram, contudo, durante aquela manhã, que uma carruagem ficou estacionada por duas horas em Berkeley Street, Picadilly, e que uma mulher com as mesmas características físicas foi vista ali, na companhia de um cavalheiro. Não se teve nenhum sinal do casal, apenas descobriram que eles seguiram pela estrada de Bath. Parece que o casal trocou cartas durante quinze dias em segredo. O rapaz é um tenente no regimento dos Dragoons.

Publicado na revista The Lady’s Magazine. Fevereiro de 1807.

Fonte: Candice Hern

A imagem em destaque é uma pintura do artista Vittorio Reggianini.

Postado por: Roberta Ouriques

Comentários

Posts relacionados

Curiosidades sobre o natal no tempo de Jane Austen

Natal passado eu escrevi três posts sobre o natal como Jane Austen conhecia (aqui, aqui e aqui), mas sempre tem